#update-nag, .update-nag { display: none !important; }
Home > Notícias > Reumatologista faz alerta sobre a espondilite anquilosante

Reumatologista faz alerta sobre a espondilite anquilosante

A médica da SPR/Londrina, Drª Anna Hermínia Castro Gomes de Amorim, faz alerta sobre a espondilite anquilosante.

“A espondilite anquilosante é uma doença que se caracteriza pela inflamação das articulações da coluna, quadris e ombros. As dores na coluna surgem de modo lento e podem estar associadas com rigidez matinal da coluna, que vai diminuindo de intensidade durante o dia. Em outras palavras, após se permanecer um período em repouso, quando se vai iniciar os movimentos, é como se fosse preciso “esquentar a máquina” para conseguir movimentar melhor a coluna; por isso, quanto antes for feito o diagnóstico, melhor”, o alerta é da Drª Anna Hermínia Castro Gomes de Amorim, da Sociedade Paranaense de Reumatologia (SPR), em Londrina.
Segundo a reumatologista, a doença não tem cura, mas o tratamento pode retardar sua progressão. “Embora não exista cura para a doença, o tratamento precoce e adequado consegue tratar os sintomas, como inflamação e dor, fazendo estacionar a progressão da doença, mas esse que deve ser orientado pela Reumatologia”, explica a médica.
“É importante frisar que essa doença não é transmitida por contágio ou por transfusão sanguínea. É um tipo de artrite, de causas desconhecidas, que faz parte do grupo de doenças autoimunes (onde o próprio sistema de defesa ataca o organismo) e acomete principalmente o esqueleto axial, mas que pode se espalhar para outras articulações”, explica Drª Anna Amorim. Segundo ela, a doença tende a ocorrer em famílias, apesar das causas não serem genéticas, e afeta três vezes mais os homens do que as mulheres, com idade entre 20 e 40.
“O sintoma mais clássico da EA é o acometimento da coluna vertebral, caracterizado por dores e rigidez matinal. Dali ela se espalha, atingindo para os quadris, joelhos, ombros e tornozelos; os ossos ficam mais sensíveis e dolorosos, inflamações nos olhos, como uveíte e irite, se tornam mais comuns, a pele e os intestinos passam a ter acometida inflamações, o coração e os pulmões podem ser atingidos pela doença. Enfim… É uma doença sistêmica que pode ser tratada, mas para isso é importante o diagnóstico precoce”, frisa a médica da SPR.

Leia mais sobre a espondilite anquilosante aqui no site da SPR